Mbed – Configurações e Primeiro Exemplo


Dando continuidade ao nosso post anterior em que apresentamos a plataforma mbed, vamos agora efetuar as primeiras configurações e colocar a coisa para funcionar.Antes de mais nada vamos verificar qual será o sistema embarcado que utilizaremos para esse e para os próximos artigos aqui no site.

 

A plataforma em que vamos fazer os nossos testes práticos é a da Freescale, sendo o modelo FRDRM – KL25Z. No próprio site de desenvolvimento do mbed, na aba plataforms, você pode selecionar esse modelo e observar algumas características técnicas.

A KL25Z possui um ARM córtex M0+ e vários recursos típicos dos sistemas embarcados comerciais, veja abaixo:

 

  • High performance ARM® Cortex™-M0+ Core
  • 48MHz, 16KB RAM, 128KB FLASH
  • USB (Host/Device)
  • SPI (2)
  • I2C (2)
  • UART (3)
  • PWM (TPM)
  • ADC (16 bit)
  • DAC (1x 12bit)
  • Touch Sensor
  • GPIO (66)

 

Abaixo podemos observar a disposição dos terminais, como por exemplo, os de alimentação, as portas de uso geral, e demais recursos citados anteriormente.

 

terminais

Figura 1 – Terminais da KL25Z

 

Na mesma página você tem acesso a parte da configuração necessária para o funcionamento na plataforma mbed.

Primeiro você deve baixar o firmware específico para KL25Z. Para isso clique em Step by step firmware upgrade instructions, conforme imagem abaixo.

 

firmware

Figura 2 – Download do firmware

 

Essa parte será específica para cada plataforma de desenvolvimento. Portanto se você tem outro modelo ou fabricante, deve ser feito esses passos na página da referida placa.

Na página seguinte devemos baixar o firmware, que no momento desse post está localizado conforme figura abaixo:

 

localfirmware

Figura 3 – Local Firmware

 
Instalando o Firmware

A instalação é muito simples, mas você deve atentar para alguns pequenos detalhes que a sua plataforma poderá ter. Por exemplo, para a FRDRM KL25Z, o procedimento correto é o seguinte:

Devemos iniciar em modo BOOTLOADER

 

1º – Para isso devemos segurar o botão entre os dois conectores USB, localizado na figura abaixo, e em seguida conectar a placa ao computador através do conector USB SDA.

ResetSDA

Figura 4 – Botão e conector USB

 

2º – Em seguida será criado no seu computador uma nova unidade da placa identificada por BOOTLOADER.

 

TelaBootloader

Figura 5 – Unidade BootLoader

 

3º – Agora, simplesmente devemos extrair o arquivo firmware que baixamos anteriormente e copiá-lo para essa unidade criada como BOOTLOADER. Pronto, remova o cabo usb e conecte novamente. Uma nova unidade surgirá com o nome de MBED.

 

telambed

Figura 6 – Unidade Mbed

 

Primeiro Exemplo         

 

Agora que esta primeira parte está pronta, vamos ao nosso primeiro exemplo. E claro que será o nosso clássico pisca led.

No site, faça o login e em seguida clique em compiler conforme já explicado no primeiro artigo. Você estará dentro do ambiente de desenvolvimento.

Antes de mais nada precisamos adicionar a placa em que iremos trabalhar. Para isso, faça o seguinte:

 

– No canto superior direito, vá em No device selected.

– Na tela seguinte clique em Add Platform.

– Selecione a placa correspondente e clique em Add to your mbed compiler.

 

addyourmbed

Figura 7 – Botão para adicionar a plataforma

 

– Em seguida, abra novamente o compilador.

Já no compilador, você verá que a placa foi adicionada com sucesso, ao clicar no botão que indica isso, você tem acesso às informações dela, bem como poderá adicionar outras plataformas caso deseje.

 

Plataforma

Figura 8 – Tela para adicionar plataformas

 

Código

Para criar seu primeiro exemplo, siga os passos:

 

New > New Program

Na tela abaixo, você pode selecionar a plataforma que você quiser, bem como um template pronto e um nome para o seu programa. De momento, deixe como está, pois este é o exemplo do nosso pisca led.

TelaPrograma

Figura 9 – Criando um novo programa

 

Antes de prosseguirmos, vamos efetuar uma breve análise do código. Observe que inicialmente temos a inclusão da biblioteca <mbed.h>. Ela é necessária para você poder utilizar todas as funções correspondentes a plataforma.

O restante dos comandos são bem intuitivos. Ou seja:

 

DigitalOut: Está definindo uma variável myled como saída, pois queremos ligar e desligar um led. O valor determinado dentro de myled, LED1, diz que desejamos utilizar o led1 da placa, que no caso aqui, é o vermelho. Você poderia utilizar LED2 ou LED3 também, ou definir um outro valor referente ao seu componente externo.

 

Em seguida temos a estrutura padrão da linguagem com o main() e o while().

E finalmente no programa principal, temos nossa variável recebendo os valores de 0 e 1, para ligar e desligar o led. O comando wait, funciona como o comando delay de outros conhecidos compiladores, e é o nosso pequeno tempo de espera que queremos entre um comando e outro.

 

Para gravar o código no microcontrolador da sua placa, vá em Compile.

Isso irá gerar um arquivo com o seu código. Você simplesmente deve salvar ele dentro da sua unidade MBED, que é criada ao conectar a placa. Em seguida para o programa funcionar corretamente, pressione o botão de reset. Pronto seu programa já estará rodando, e o led na placa estará piscando.

 

Por hoje é isso pessoal, abraço e até a próxima!

Abaixo o teste prático do programa.

 

animacao

Figura 10 – Teste prático

 

Inscreva-se para ficar atualizado!

Inscreva-se agora e fique por dentro das novidades do site

Fique tranquilo, respeitamos sua privacidade!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.